Visual Novel: Ame ou Odeie, mas Não Ignore o Sucesso!

Quando o assunto visual novel entra na pauta de qualquer discussão gamer, as opiniões se dividem de uma forma bem interessante. Enquanto alguns players amam esse tipo de jogo, outros classificam a experiência como algo maçante e, em casos extremos, sequer consideram esses produtos como games.

No entanto, quando avaliamos esses jogos sob a ótica dos números, verificamos que eles são um grande sucesso, tanto em termos de vendas, quanto em relação à acumulação de reviews positivos. Em suma, sendo amadas ou odiadas, o fato é que as visual novels são um sucesso.

E foi para explicar o que é uma visual novel (e chamar a atenção para a divisão de opiniões que esse assunto promove) que eu resolvi criar este texto. Como irá perceber, minha análise foi feita com base em dados e em interpretações bem objetivas. Então, se você deseja conhecer melhor essas experiências narrativas, sugiro que não deixe de conferir até o fim. Vamos começar?

O que é uma Visual Novel?

Para facilitar o entendimento acerca do conceito de visual novel, podemos seguir as ideias relacionadas à tradução do termo. Isto é, em português, uma visual novel é um romance visual. Nesse caso, o romance diz respeito ao gênero literário e o visual à informação que é exibida nas telas.

Em outras palavras, uma visual novel é uma história interativa, que faz uso de recursos visuais para promover uma experiência mais completa, como se fosse um livro ilustrado.

Como não poderia deixar de ser, o objetivo principal desses games é exatamente contar uma história. Os pontos de interação são apenas formas de manter o player “engajado” com a aventura e, dificilmente, criam experiências muito imersivas, como as que encontramos em jogos FPS ou jogos de RPG, por exemplo.

Resumindo, para quem gosta de ler histórias, uma visual novel pode ser considerada como uma evolução dessa experiência. Logicamente, é esse formato peculiar que faz esse tipo de jogo dividir tantas opiniões.

Por que o assunto “Visual Novel” divide opiniões?

Como você pôde perceber, uma visual novel não é conhecida por proporcionar experiências extremamente interativas. Esses games funcionam mais como um livro digital, que vai revelando uma história sem promover uma jornada muito imersiva.

Para quem gosta de ler, essa ideia é muito bem-vinda. Afinal, leitores tendem a gostar de consumir histórias. E é exatamente isso que uma visual novel oferece. Aliás, o formato também é muito amado por quem já tem o costume de ler quadrinhos, mangás, light novels e afins.

Na outra ponta, quem odeia esse tipo de jogo critica exatamente a falta de interação. Esse grupo costuma classificar uma visual novel como algo chato, tedioso e sem emoção. Obviamente, é tudo uma questão de ponto de vista.

Vale destacar também que as visual novels sofrem bastante com alguns tipos de preconceito. Por exemplo, muitos produtos desse segmento são construções Hentai. Por conta disso, quem não gosta dos romances visuais acaba generalizando e acreditando que todas as opções do segmento possuem conteúdo estranho e erótico.

Curiosamente, algumas das visual novels mais interessantes e mais bem-sucedidas abordam assuntos que poderiam ser implementadas em jogos de aventura, jogos de terror e, claro, jogos de RPG.

Isso quer dizer que cada visual novel deve ser analisada de forma individual. Assim, os preconceitos serão evitados e os players poderão aproveitar algumas belas histórias.

Exemplos de maior sucesso

Agora que você já sabe o que é uma visual novel e por que esse tipo de jogo divide as opiniões, posso apresentar alguns exemplos de alto nível. Dessa maneira, se você quiser começar a “desbravar” essas experiências, já começará com o “pé direito”. Acompanhe…

Fate/

Para abrir a minha rodada de grandes exemplos entre as visual novels, decidi citar uma grande franquia chamada Fate/. Muita gente conhece essa série por conta dos animes, mas ela é originalmente um conjunto de belas visual novels, que vem gerando histórias desde 2004.

De modo geral, as histórias da franquia Fate/ se passam em um cenário fantasioso, no qual, de tempos em tempos, uma guerra entre magos e servos eclode para determinar qual grupo ficará com a posse do Santo Graal. Dotadas de muitos personagens e tramas bem complexas, as histórias da franquia são grandes sucessos de vendas.

Danganronpa

Visual Novel

Como eu destaquei, uma visual novel de qualidade sempre oferece temas interessantes e promove histórias bastante complexas. No caso da franquia Danganronpa, cujo primeiro título foi lançado em 2017, a criatividade dos desenvolvedores gerou tramas de tirar o fôlego.

Todas as histórias de Danganronpa focam na reunião de jovens prodígios, em uma escola renomada, sob a tutela de um personagem bem controverso. Logo no início do ano letivo, esses jovens descobrem que o único jeito de escapar da escola é cometendo um assassinato perfeito. A trama é cheia de reviravoltas e tem nuances perfeitas para quem curte um bom romance policial.

The Red Strings Club

Provando que visual novels não são apenas criações japoneses, The Red Strings Club, de 2018, surge como uma experiência narrativa de muita qualidade, que abarca uma série de conceitos filosóficos e se passa em um ambiente perfeito para quem curte jogos cyberpunk.

Apesar de ter sido lançado em um ano recheado de grandes jogos indie, The Red Strings Club conseguiu arrebatar muitos players e “arrancou” reviews muito positivos. Como não poderia deixar de ser, as ideias e a estética cyberpunk são exploradas ao máximo na aventura. E isso apenas deixa tudo muito mais atrativo.

Florence

Visual Novel

Falando em games lançados em 2018, eu não poderia deixar de lembrar do excelente Florence. Essa visual novel se difere das outras por ter surgido primeiramente no mundo dos jogos de celular. E essa construção ajudou o game a se tornar uma opção muito mais acessível, o que justifica parte do seu sucesso.

Em Florence, os players acompanham a história de uma musicista. A jovem passa por um processo de construção e amadurecimento, o que faz com que a gente acabe criando laços com ela. Nos pontos de interação, alguns quebra-cabeças curiosos surgem para deixar a experiência mais versátil. Muito bom!

Phoenix Wright: Ace Attorney

Voltando às produções japonesas, “esbarramos” em Phoenix Wright: Ace Attorney, que é o primeiro jogo de uma série da Capcom, lançada em 2001, para o Game boy Advance. Sim, a criadora de jogos lendários como Street Fighter, Resident Evil e muitos outros, também reconhece a força que uma visual novel pode ter.

Como não poderia deixar de ser, por ter o “poder de fogo” da Capcom como base, Phoenix Wright: Ace Attorney acaba sendo uma grande produção. O jogo foca nos casos do advogado Phoenix Wright e promove situações cheias de interação e momentos dignos de grandes investigações policiais.

Last Days of June

Last Days of June, de 2017, desponta como uma das opções mais interativas dentre a minha seleção de exemplos e é aquele tipo de game que poderia, facilmente, fazer parte de uma lista de jogos que viraram filmes. E, sem dúvidas, o filme seria um verdadeiro espetáculo.

No game, os players acompanham a história de um casal que sofreu um acidente de carro. Essa tragédia ceifou a vida de June e deixou Carl em uma cadeira de rodas, dando início a um “revival de memórias”. Cabe ressaltar que a trilha sonora do game é composta por Steven Wilson, que é um ícone do Rock Progressivo. Resumindo, a experiência é completa e extremamente tocante.

Steins;Gate

Para fechar a minha seleção, meu eleito é o grande Steins;Gate, de 2011. Confesso que só conheci essa visual novel após ter ficado fascinado pelo anime. O game conta a história de um grupo de jovens que descobrem um jeito de enviar mensagens ao passado e acabam mexendo com a história do mundo.

Apesar de ter algumas situações bem infantis, já que se trata de um grupo de adolescentes, Steins;Gate conta uma história complexa e cheia de conceitos extremamente maduros. Além do mais, o desfecho da aventura é realmente impressionante. Incrível!

Visual Novel: colecionando bons reviews!

Estamos chegando ao fim de mais um post e espero ter lhe ajudado a abrir os olhos para um tipo de jogo que tem uma enorme legião de fãs e de haters, mas continua colecionando bons reviews e registrando muitos recordes, no que tange à quantidade de vendas.

Por fim, ressalto que, se você quiser experimentar uma visual novel, os exemplos que apresentei acima são ótimos, mas há uma infinidade de opções no mercado. Sendo assim, sugiro que se prepare para acompanhar histórias muito emocionantes. Até mais…

Deixe seu comentário!